A sustentabilidade é um assunto que, além de estar em alta, precisa ser vivido na prática para que as empresas consigam se desenvolver de forma mais ecologicamente correta.

Na Europa e nos Estados Unidos, organizações têm percebido e adotado a sustentabilidade como um meio viável de desenvolvimento, buscando apresentar resultados através de um tripé que trabalha 3 aspectos diferentes: Ambiental, Social e Econômico, ou Triple Bottom Line, como é chamado no Brasil, o Tripé da Sustentabilidade.

O que é o Triple Bottom Line?

Trata-se de um conceito que prega a gestão empresarial com foco, além dos resultados, no impacto causado pelas empresas no planeta. 

Esse conceito se baseia nos seguintes pilares: social, ambiental e econômico — por isso o nome ‘Tripé’ da Sustentabilidade — a partir dos quais as empresas devem mensurar seus resultados. Assim, só alcançam a sustentabilidade empresarial aquelas organizações que abraçam esses três aspectos ao mesmo tempo.

Para atender completamente a esse conceito, vamos te explicar um pouco mais sobre as 3 bases do tripé e com o que a empresa precisa se preocupar em cada uma dessas perspectivas.

1. Social

O valor do pilar social trata de todo capital humano do qual uma empresa está ligada de forma direta ou indiretamente. Além dos funcionários, as ações incluem público-alvo e fornecedores, bem como toda a comunidade ao seu redor.

Uma empresa preocupada com a sustentabilidade deve respeitar seus colaboradores e oferecer boas condições de trabalho. Nesse sentido, o mínimo que se espera dela é o atendimento a aspectos como: suporte, inclusão, diversidade, flexibilidade e desenvolvimento.

2. Ambiental

Talvez  a questão mais debatida e frequentemente entendida como central do conceito Triple Bottom Line.

A evolução correta de um ambiente sustentável, diz respeito a todas as condutas que possuem de forma direta ou indireta, impactos ambientais, que podem gerar danos a curto, médio e longo prazo. O foco é manter práticas de produção mais adequadas, como a emissão de poluentes e o descarte de materiais. Além do mais, há a necessidade de explorar recursos naturais com mais cuidado.

Ter maior responsabilidade ecológica é um caminho que exige mudanças estruturais consideradas profundas, e não somente algo voltado para o marketing da organização. A empresa que consegue isso alcança outro patamar e, a longo prazo, colhe bons frutos.

3. Econômico

Bem, empresas são criadas para gerarem lucro, certo? Esse terceiro aspecto diz respeito a isso: governança corporativa de excelência é aquela capaz de guiar um negócio lucrativo, capaz de agregar valor a seu produto e ainda assim gerar retorno econômico sem abrir mão de ser responsável com as pessoas e o planeta.

Este pilar, precisa levar em conta dois aspectos fundamentais para dizer que uma empresa é economicamente sustentável: a organização precisa ser capaz de produzir, distribuir e oferecer seu serviço de forma que haja uma relação competitiva justa com seus concorrentes de mercado.

Benefícios do Triple Bottom Line

O tripé da sustentabilidade deixa evidente que os fatores social, ambiental e econômico são igualmente importantes para o sucesso do negócio.

Vestir essa camisa, para uma empresa, é uma via de mão dupla, porque ao mesmo tempo que ela está contribuindo para melhorar a sociedade como um todo, através do desenvolvimento sustentável, ela também se beneficia para que atue com mais transparência e engaje mais clientes, parceiros e funcionários em prol de uma iniciativa.

Diante da importância do tripé da sustentabilidade empresarial, vale a pena conhecer maneiras de colocar esse conceito em prática. Destacamos algumas dicas para você:

– Incentivar o diálogo e relações éticas;
– Fornecedores sustentáveis;
– Boas práticas para gerenciar os resíduos sólidos;
– Evitar desperdícios;
– E, por último, mas não menos importante: utilizar tecnologias sustentáveis!

A rotina de uma empresa sempre gera um grande volume de papel, que mais cedo ou mais tarde será descartado. Para evitar esse problema, há a opção de adotar tecnologias sustentáveis, como a assinatura eletrônica e a gestão de documentos digitais.

É possível, por exemplo, gerar e assinar contratos totalmente sem o uso de papel. Além disso, você também economiza tempo e reduz a emissão de gases dos automóveis, já que não precisará ir até cartórios e clientes para concluir uma assinatura.

Se você tem interesse em dar o primeiro passo para ingressar no conceito Triple Bottom Line, conte com a D4Sign para te dar esse empurrãozinho e facilitar o seu processo de assinaturad4sign.com.br

Deixe uma resposta